Nany People
Nany People (Divulgação)

Em entrevista à jornalista Leda Nagle, mãe do ator Duda Nagle e ex-apresentadora da TV Globo e TV Brasil, a atriz Nany People revelou curiosidades e histórias marcantes sobre a sua trajetória.

Nascida no interior de MG, Nany afirmou que sempre contou com o apoio da mãe não só por conta de sua sexualidade como também para seguir na carreira artística. Aos dez anos Nany entrou para o teatro.

Veja também: Celso Portiolli posta foto antiga e fãs brincam: “A cara do Roberto Carlos”


Entre as revelações da artista chama a atenção a história de amor entre seus pais, um homem negro simples e uma mulher branca de família com posses, o bullying que sofreu ainda na escola, a chegada a São Paulo e histórias engraçadas envolvendo ex-namorados.

Além de atriz, Nany fala orgulhosa dos tempos em que trabalho como repórter do saudoso Goulart de Andrade na extinta TV Manchete, Amaury Jr na Band, Hebe no SBT e Xuxa pela Record: “Fui paquita aos 50 anos”, brinca.

Durante alguns anos, a atriz também integrou o elenco do humorístico A Praça é Nossa, do SBT, logo depois foi um das confinadas do reality A Fazenda, em 2010: “Sai da A Praça é Nossa pra fazer um filme de terror chamado A Fazenda, fiz muito bem, mudou minha vida”, diz Nany People que está em cartaz com a peça Forever Young no teatro Fernando Torres, em São Paulo, de sexta a domingo.

Confira alguns destaques do bate-bapo:

Bullying:

“Você já percebeu que seu filho tem um problema?”. Ela na sabedoria dela disse: “Não é um problema, é a condição dele. E cabe a mim como mãe fazer ele a pessoa mais feliz do mundo e a senhora como educadora também””. 

Mudanças no corpo:

“Aos 12 anos comecei a tomar hormônio masculino por causa do psiquiatra. Até porque não existia transexual. Eu tomei hormônio até os 18 anos. Com essa idade eu falei chega, eu já fazia teatro desde os 10 anos. Eu parei com os hormônios e saí de mulher no carnaval. Foi um escândalo. Com 20 anos, fui para São Paulo”. 

Cirurgia

“Eu ia fazer a cirurgia aos 26 anos, minha mãe pegou um ônibus em Poços de Caldas, baixou em São Paulo e falou: ‘Pelo amor de Deus meu filho não faça. Se você pensa que isso vai segurar homem, não vai’. Aí eu desisti”.