Lucas Lucco e Tico Santa Cruz
Lucas Lucco e Tico Santa Cruz (FOTO: Marcel Bianchi)

Texto/Entrevista: Cris Veronez | Edição: Matheus Menezes

Foi-se o tempo em que o Detonautas Roque Clube achava que o rock era o centro do universo. Surpreendendo o público, a banda anunciou uma parceria com o sertanejo Lucas Lucco na música ‘Por Onde Você Anda’. A canção faz parte do álbum VI (2017), do DRC, e ganhou clipe com estreia prevista para esta quarta-feira (11).

Em entrevista ao Observatório dos Famosos, o vocalista Tico Santa Cruz confessa que já teve uma postura profissional muito radical. No entanto, a maturidade conquistada ao longo de 21 anos de carreira fez com que ele e a banda resolvessem experimentar novas possibilidades e mudar junto com o mundo.


Leia também: Lucas Lucco e Banda Fly lançam versão romântica do hit ‘Permanecer’

“Acho que essa visão de que o rock e o sertanejo não podem conviver nos mesmos ambientes é de uma geração passada, que ficou estagnada numa perspectiva limitadora”, diz.

Tico afirma ainda que não conhecia Lucas Lucco pessoalmente quando o convidou para a parceria, mas percebeu que tinha muito mais afinidades com o sertanejo do que julgava. Confira a entrevista na íntegra:

Veja mais: Tico Santa Cruz lança livro infantil: “As pessoas se surpreendem com o que não é previsível”

Detonautas e Lucas Lucco
Detonautas e Lucas Lucco (FOTO: Marcel Bianchi)

 

Tico, me conta sobre a história do Detonautas com o Lucas Lucco. Vocês já se conheciam pessoalmente? Como foi que a banda chegou à conclusão de que Lucas seria o melhor parceiro para dividir Por Onde Você Anda?

Não nos conhecíamos pessoalmente. Convidei alguns artistas para esse projeto de parcerias desse disco que lançamos no ano passado e o Lucas foi o que respondeu primeiro. Conversamos primeiro pelas redes sociais e depois fizemos um show beneficente que ele estava organizando em Uberlândia. Um show onde ele fez um repertório só de rock nacional. Então percebemos que tínhamos muito mais afinidades do que julgávamos. Isso foi muito bom, porque durante muitos anos tínhamos uma dificuldade enorme de aceitar que o rock não era o centro do universo e de que fazer interações com outros artistas de estilos diferentes, dentro do universo ao qual nos propomos a atuar, seria artisticamente enriquecedor. E foi. Lucas entrou na canção. Trouxe sua personalidade, mas manteve a essência original da música.

O rock e o sertanejo são ritmos bem diferentes e parece que nem sempre a galera do rock se dá bem com a galera do sertanejo (me corrija se eu estiver errada). O seu público recebeu bem a parceria? Em algum momento você ficou com receio de que eles não gostassem?

Acho que essa visão de que o rock e o sertanejo não podem conviver nos mesmos ambientes é mais uma visão de uma geração passada, da qual fazemos parte também, mas que ficou estagnada numa visão limitadora. Eu não escuto sertanejo. Mas isso não me impediu de fazer uma parceria com um artista do gênero, inclusive porque na história dele existe a presença do rock em sua formação musical. Acontece que as novas gerações por conta da exposição a todo tipo de conteúdo disponível na internet já não tem mais essa postura de curtir um estilo só. Nos eventos grandes, festivais, em sua grande maioria, artistas dos mais variados segmentos estão compartilhando palcos… E por que o rock está fora de muitos deles? Será que é porque o público não gosta mais de rock? Não. Lhe respondo categoricamente: em todos que participamos, fomos bem recebidos, e sabemos que outros artistas de rock que já fizeram também. Então, o público está mais aberto. Tanto que não tivemos quase nenhuma rejeição nas redes sociais e no YouTube. Em um universo de 2 milhões de pessoas que assistiram o webclipe no canal do Detonautas, foram muito poucas críticas. No mais, respeitamos aqueles que não gostaram e que respeitosamente se manifestaram. Haters nem são gente.

Vocês cogitaram repetir a parceria, desta vez cantando algum sucesso do Lucas?

Lucas Lucco e Tico Santa Cruz em shows
Lucas Lucco e Tico Santa Cruz em shows (FOTOS: Marcel Bianchi; Fabiano Santos)

Não. Na verdade a proposta foi trazê-lo ao rock. Ele se adaptou bem. Não me sinto capaz, versátil suficiente para cantar um sertanejo nesse momento. Mas ele também circula no universo pop, então acho que outras possibilidades se abrem nesse aspecto. Cientes de que temos muito respeito por todos que trabalham dentro do sertanejo e que isso veio com a nossa maturidade, porque antes eu mesmo me comportava de maneira muito crítica e radical. Os tempos mudam e a gente muda também.

Quando vocês vão se encontrar nos palcos?

Existem alguns eventos previstos para shows dos dois artistas no mesmo dia. Se isso se realizar, será ótimo! Mas estamos bolando um projeto para nós juntarmos no palco aos moldes daquele primeiro show que fizemos em Uberlândia.

O que podemos esperar das próximas parcerias para as canções do disco VI? Já fecharam mais alguma?

Existe uma música chamada Você Vai Lembrar de Mim, que é um bolero. Convidamos uma grande artista da MPB, samba para participar e ela aceitou. Será que vocês adivinham quem é? Posso dizer que o Axl Rose gosta muito dela.