Em entrevista, MC Milk fala como foi gravar música com tradução em libras

COMPARTILHAR
MC Milk
MC Milk (FOTO: Divulgação)

Sucesso entre a comunidade surda, MC Milk quer lançar próximas músicas com tradução em libras. Foi após tomar conhecimento de que a comunidade surda é capaz de sentir as músicas, apesar de não conseguir ouvi-las, que o músico de 19 anos, resolveu lançar um clipe inclusivo.

Leia também: Depois de mudar visual, Anitta mostra o corpão em foto de biquíni

O funkeiro brasiliense, que aprendeu a língua dos sinais especialmente para gravar o clipe de “Você é Linda”, diz que sua pretensão é que todos os próximos tenham legenda ou interpretação em libras. Durante bate-papo com o Observatório dos Famosos, ele falou sobre o início da carreira, influências musicais, fama e proximidade que criou com os surdos.


“É impressionante ver como sou bem recebido pela comunidade surda, como eles me entendem e sentem as músicas junto comigo, me seguem nas redes e torcem para o meu sucesso. Acabei criando uma relação muito próxima com eles”, disse. O funkeiro também comemorou o sucesso da música “Mina Bandida”, lançado em parceria com a produtora de videoclipes Kondzilla, que bateu 770 mil visualizações em três meses.

Leia a entrevista completa:

Quando você descobriu que queria ser cantor? Conte um pouco sobre a sua trajetória.

Uma vez estava indo treinar futebol, um amigo colocou funk no celular e eu me interessei e acabei pesquisando mais a respeito do gênero musical. Desde então, me cativou tanto que decidi me tornar MC. Embora minha carreira tenha começado há pouco tempo, já conheci diversas cidades nas quais eu me apresentei e pude mostrar um pouco do meu trabalho.

De onde vem o apelido “Milk”?

Meu nome é Victor Hugo Leite. Foi por causa do “Leite” que os amigos começaram a me chamar de Milk e acabou pegando. Hoje em dia sou conhecido assim.

Quais são os artistas que te influenciam e inspiram?

MC Livinho, Nego do Borel, Zayn Malik, Maluma.

Sua família te apoia na carreira? Já sofreu alguma espécie de preconceito por ser MC?

Sim, eles sempre me motivaram a continuar e acreditaram em mim. Acho que, em alguns lugares, sempre tem um pouco de preconceito, mas tento não prestar atenção nisso e continuar fazendo meu trabalho de forma digna.

Como surgiu a ideia de gravar clipes em libras?

Meu empresário entrevistou uma menina que fazia licenciatura em dança em uma turma regular, sendo que ela era surda, ele a questionou sobre o que ela fazia para poder acompanhar a turma e ela respondeu que não conseguia escutar como nós, porém ela sentia a música. Ele me contou a respeito e isso nos tocou. Estava em processo de gravação do clipe da música “Você é Linda”. Então, decidimos trabalhar o lado da inclusão dos surdos.

Acha que interpretar canções em libras o ajudou a se diferenciar dos outros MCs?

Com certeza! Até porque fui pioneiro nesse olhar para o público deficiente auditivo e estou muito feliz que isso tenha chamado atenção de outros artistas, fazendo com que eles também se preocupem com o público surdo.

Foi difícil aprender a língua dos sinais? Pretende gravar outros clipes em libras?

Sim, é uma língua como qualquer outra. Devemos praticar, conviver e continuar sempre aprendendo mais. Pretendo gravar todos os próximos clipes com legenda ou interpretação em libras!

Como a comunidade surda recebe seu trabalho?

Muito bem. É impressionante ver como sou bem recebido pela comunidade surda, como eles me entendem e sentem as músicas junto comigo, me seguem nas redes e torcem para o meu sucesso. Acabei criando uma relação muito próxima com eles.

Quais são seus próximos projetos?

O ano de 2018 está apenas começando e muitos projetos estão em vista! Logo serão revelados!

Logo que você ficou conhecido no cenário musical, as pessoas começaram a dizer que você é parecido com o Biel. Isso é bom, ruim ou não faz diferença para você?

É muito bom ser reconhecido pelo meu trabalho, acho que essa é a melhor parte. A comparação com o Biel foi feita pelo estilo musical e carisma, o que é bacana. Mas tenho meu próprio caminho.

Na sua opinião, quais são as dores e as delícias da fama?

Acredito que a fama e a proximidade com o público são as recompensas de qualquer artista. Fico feliz!


Está solteiro? Sofre muito assédio?

Sim. Um pouco (risos), mas acho que é normal pela profissão que escolhi, lido de forma saudável.

Como você avalia o ano de 2017, tanto na esfera pessoal como profissional? Quais são seus maiores desejos para 2018?

Foi um ótimo ano pessoalmente e profissionalmente. Lancei uma música e um clipe no canal do Kondzilla, que teve bastante repercussão e me trouxe muitas coisas boas. Estou muito feliz com 2017! Desejo que 2018 seja um ano de muito trabalho e realizações. Espero poder levar minha música, ainda mais, para todos os públicos!

Abaixo, confira o clipe!