Patricia Poeta
Patricia Poeta (Divulgação)

Desde de que deixou a apresentação do Jornal Nacional, em 2014, a vida da jornalista Patricia Poeta ganhou ainda mais destaque por conta dos trabalhos que vem realizando pelo Grupo Globo no entretenimento e, é claro, pelo seu estilo de vida, incluindo sua alimentação.

Ao lado de um time de apresentadores, Patricia segue à frente do É de Casa nas manhãs de sábado da emissora carioca, e, em 2017, ganhou uma outra atração focada em moda mas pelo GNT, Caixa de Costura, um reality show que volta à grade do canal em 2019.

Durante o lançamento da nova coleção da Le Lis Blanc, na noite da última quinta, 15/03, em São Paulo, Patricia falou sobre a reeducação alimentar que transformou a sua vida: “Não deixo de comer absolutamente nada, mas no meu prato a proporção é mais proteína e salada, menos carboidratos”, revelou.


 Confira entrevista:

Como você organiza os seus looks, o figurino que usa em eventos?

Curto muito montar looks. Monto, fotografo, tenho meu arquivo. Perco uns dias do mês para isso, tipo um domingo, vou ao meu closet e começo a montar os looks. Brinco com bolsas, sapatos, roupas… Comecei a fazer quando ainda era correspondente em Nova York. Eu era mãe, trabalhadora, cuidava da casa, tinha que me virar em mil. Fora que você consegue usar mais as coisas que estão no seu guarda-roupa, aí desapega, faz limpa, doa…

Há uma grande mudança no estilo da âncora do Jornal Nacional para a apresentadora do É de Casa, não?

O pessoal estava acostumado comigo na função de âncora, que tem um padrão de vestir. Mas, fora dali, eu já usava roupas mais despojadas, que a função de âncora não permite, já que a notícia tem que ser a protagonista. Fora do ar eu já usava muito. Para as pessoas é novo, mas na verdade para mim já faz tempo. Hoje levo cinco minutos pra me arrumar. Nunca chego atrasada.

A sua silhueta mudou muito nos últimos dois anos. Como foi todo esse processo?

Eu diminuí muito o açúcar, não a sobremesa em si, mas o carboidrato. Porque é o carboidrato que faz a gente crescer para os lados. Aprendi isso aos 39 anos de idade. Se diminuir o açúcar, é nítido como vai melhorar seus exames e você perde peso, diminui a numeração. Alimentação associada ao exercício é uma coisa. Não adianta se exercitar e continuar comendo de tudo, porque só fica correndo atrás do prejuízo.

Mas é uma deita mais rigorosa? Dá pra abusar um pouco?

Eu como de tudo. Quando fiz dieta restringi um monte de coisas e depois a gente engorda tudo de novo no segundo mês. Penso na lei da compensação: se chutei o pau da barraca no almoço, passei dos limites, não vou fazer de novo no jantar. Não deixo de comer absolutamente nada, mas no meu prato a proporção é mais proteína e salada, menos carboidratos.

Pelas redes sociais e também pela imprensa, o público acompanha o crescimento do seu filho. Como é a relação de vocês agora que ele está um adolescente? Vocês até surfam juntos…

Ele é muito meu parceirão: viajamos juntos, surfamos juntos, conversamos sobre muitas coisas. A gente sempre fez esportes juntos e ele falou: ‘só falta você surfar’. Achei que nunca ia rolar. Só que depois que emagreci, comecei a ficar mais disposta, já tinha jogado até futebol com ele e pensei ‘por que não?’. A primeira aula, inclusive, quem me deu foi ele.