“Esse é o momento mais feliz da minha vida”, afirma Deborah Secco

COMPARTILHAR
Deborah Secco
Deborah Secco (Foto: Reprodução/ Instagram)

Texto/Entrevista: Leandro Lel Lima

Deborah Secco tem em 2018 um dos melhores anos de sua vida por conta da repercussão de seu trabalho na TV e no cinema, além da família que vem formando desde o nascimento de sua filha Maria, fruto do seu relacionamento com o ator e modelo Hugo Moura.

Leia também: Bem blogueirinha! Deborah Secco encanta ao vestir Maria Flor com look caprichado


Em entrevista ao Observatório dos Famosos, a Karola de Segundo Sol abre o jogo e fala abertamente sobre carreira, maternidade, inseguranças, polêmicas, trabalho e realizações como mulher e profissional.

Veja mais: Deborah Secco se derrete ao ver Maria Flor fantasiada: “minha batgirl mais linda do mundo”

Conhecida do público desde pequena, Deborah afirma que esse é um dos melhores momentos de sua trajetória: “Sem dúvida alguma esse é o momento mais feliz da minha vida. Me sinto completamente realizada”, afirmou a atriz que está no recém-lançado Mulheres Alteradas.

Confira!

Empoderamento feminino

Eu sempre quis falar, mas quando tive a minha filha foi ficando cada vez mais inevitável pra mim. Eu acho que a maternidade, e por ter tido uma filha mulher também, fez com que isso aflorasse em mim uma vontade enorme de realmente conseguir mudar alguma coisa.

Falar abertamente sobre sua vida pessoal

Eu sou feminista mesmo, se eles podem, nós também podemos, mas eu nunca dei essa declaração e é importante falar, achando que eu havia feito uma coisa boa, não. Eu trai, ponto, isso é um fato. É uma pena e foi ruim não só pra mim. Eu adoraria ter tido relacionamentos que dessem certo, que fossem na base da lealdade, da verdade, mas não consegui.

Relações passadas

Infelizmente, não encontrei pessoas que junto comigo criassem esse tipo de relação, pelo contrário, criamos uma relação frágil, mentirosa, que deu no que deu, no término, mas ninguém pode ser julgado ou condenado porque errou.

Aprendendo com os erros

Ninguém passa por essa vida sem errar. Eu gostaria muito de ser essa pessoa que lá no primeiro relacionamento tivesse todo um entendimento de amor, de família, de estar junto que eu tenho hoje. Eu não tinha. Mas graças a Deus, evolui e tenho a maturidade de falar: ‘Eu errei, mas que bom que hoje tenho um marido que não vou trair, não vou me dar a chance de errar com ele’.

É maduro saber se julgar, se ver como errado, e ter a humildade, a verdade e a coragem de falar que errou. Eu sou um ser humano. Trai todos sim. Olha que triste. Porque até então, eu não tinha conseguido uma relação verdadeira. Mas que bom que a vida muda, e que a gente amadurece, e hoje estou construindo uma relação assim.

O preço da vida pública

Não sou uma pessoa que sabe tudo, muito pelo contrário, eu não sei nada, estou evoluindo e graças a Deus, mudo de opinião, mas eu falo com verdade. Se tem algo que me faz ter orgulho de mim mesma, é que eu não tenho vergonha de errar, de ser quem eu sou, de voltar atrás, pedir desculpas. E graças a Deus, não preciso mentir pra ser amada.

É um alívio e eu demorei muitos anos para conseguir viver, sabendo que a gente não vai agradar todo mundo, não vamos mesmo, mas não precisamos mentir. Hoje em dia, eu luto muito para que as pessoas aceitem essas diferenças, e se eu não penso como você, infelizmente, não chegaremos a um consenso, mas não deixaremos de ser amigos, nem de nos gostarmos.

Polêmicas

Eu sempre lido com a verdade e a minha forma mais polêmica de falar é porque eu acho mesmo que a gente precisa brigar pelo o que acreditamos. Eu sou uma pessoa que veio de um lugar muito lá em baixo, consegui chegar aonde cheguei, alguma coisa devo ter aprendido com tudo isso, então, talvez eu possa passar pra algumas pessoas que pensam como eu, e outras que não pensam, podem até achar uma bobagem enorme, que sou burra, idiota e tal, mas de alguma forma, talvez eu consiga ajudar alguém que esteja precisando. Só por isso já vale à pena.

Melhor momento da vida

Sem dúvida alguma esse é o momento mais feliz da minha vida. Me sinto completamente realizada. Nós sempre vamos ter que reconquistar esse lugar que nós estamos hoje, todos os dias. Reconquistar a nossa família, o nosso lugar de mãe, de esposa, de profissional, não é só deixar como está, mas nós temos que manter, mas eu acho que eu já me sinto muito realizada.

Dedicação à família e ao trabalho

Essa é a parte mais difícil. Hoje eu estava pronta pra sair e a Maria disse: ‘Não mamãe, por favor, fica só mais um pouquinho’. É realmente muito duro. Eu parei de falar um pouco disso, porque antes eu ficava muito tocada do quanto eu sofria como mãe que trabalha, mas olhei para outras pessoas e todo mundo tem uma mãe que trabalha. O mundo, infelizmente é feito de mães que trabalham, aliás, infelizmente, não, porque nós mulheres não nascemos só pra cuidar dos filhos. Eu sou só mais uma.

Quando participei do programa da Fátima Bernardes ela estava no meu colo antes do programa começar, quando começou eu a tirei do colo, e ela começou a chorar. Passei um bloco inteiro no celular com a direção do programa para liberarem a participação dela, porque eu teria que assinar alguns documentos por ela ser menor de idade. Ficamos trocando essas mensagens e no final deu tudo certo. Ela só queria ficar sentadinha no meu colo, não atrapalhou em nada.

Maria e a as redes sociais

Eu também sigo várias pessoas que são mães. Eu quero ver o que elas estão fazendo com seus filhos, algo interessante, algum tipo de brincadeira. Não existe um livro que nos ensine, então sigo todas as outras mães pra tentar aprender alguma coisa, que eu ainda não saiba. E as pessoas que me acompanham e curtem a Maria se espelham um pouco nessa nossa relação, nas dificuldades que tenho, e que às vezes a outra também passa, ameniza um pouco o sofrimento. Eu sei porque faço isso seguindo as outras pessoas também. Por isso, todo mundo tem um carinho especial pela Maria e enxerga um pouco o seu próprio filho ali. Eu sou muito apaixonada por ela.

Aumentar a família

Não temos planos de quando, mas nós queremos um irmãozinho ou irmãzinha. Nós temos certeza de que adotaremos um, não sabemos quando, mas quero ter outro biológico, mas o Hugo acha que não, ele prefere adotar, nós estamos nessa negociação.


SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA