Destaque na edição mais recente da revista TPM, Deborah Bloch, atriz de 53 anos falou sobre alguns assuntos como o envelhecimento. “Envelhecer é uma merda porque a gente vive numa sociedade que cultua muito a juventude e não dá o devido valor à sabedoria e à experiência. Mas tem um lado bom: o tempo é um aliado do ator. Quanto mais vivência ele acumula, mais material ele tem para trabalhar. Estou me preparando há anos para um papel como o da Elisa, o mais difícil da minha carreira.” Diz a atriz se referindo ao papel que interpretou na série Justiça.

Na série, Elisa teve sua filha assassinada pelo noivo da moça e desejava vinga-se dele. “A perda de um filho é a maior tragédia que uma mulher pode viver. Tive que visitar lugares de muita dor e sofrimento. Parecia que eu tinha levado uma surra nas filmagens” afirmou ela que buscou inspiração em sua faxineira que teve o filho confundido com um membro de uma facção e assassinado.

Deborah Bloch, que está solteira, teve dois filho de seu casamento com o chef Olivier Anquier, Julia e Hugo que moram fora do país. Ela criticou o machismo e a forma como seu affair com o ator Sergio Marone foi tratado. “Quando eu tinha 18 anos, fiz par romântico com o Carlos Augusto Strazzer, que era da geração do meu pai, e ninguém falou nada. Agora, quando uma mulher mais velha namora um cara mais novo vira uma questão. Por que essa diferença?”


A atriz está em cartaz com a peça Os Realistas, ao lado de Mariana Lima, Fernando Eiras e Guilherme Weber.