Camilla Miguel recorreu às redes sociais nesta terça-feira (01) para desabafar sobre dificuldades após três meses da morte do irmão, Rafael Miguel, e dos pais, Miriam Selma Miguel, de 50 anos, e João Alcisio Miguel, de 52. 

Os três familiares de Camilla foram mortos a tiros em junho por Paulo Cupertino Matias, pai de Isabela Tibcherani, namorada de Rafael. A polícia fez a reconstrução do crime. 

“Queria fazer um desabafo rápido aqui. Muitos me mandam mensagens dia após dia me agradecendo por inspirar força, que não sabem como eu consigo ser assim. Realmente, eu tenho sido e cada vez mais tenho ficado forte, tenho lidado com uma força e maturidade que me admira também, foi surpresa para mim, e com certeza resultado de um longo processo de autoconhecimento que se pôs em prova master”, iniciou a irmã do ator

“Mas deixa eu falar uma coisa: eu, como todos, sou humana. E nenhum ser humano tem uma fortaleza o tempo todo, temos todos momentos de fraqueza, pontos fracos, e estamos em constante aprendizado, construção ou desconstrução, de maturação e evolução. Dito isso: nem sempre é fácil. todo dia é uma luta. não é fácil seguir o caminho do amor e da paz. tem uma coisa chamada ódio e revolta no nosso mundo, que é mais contagioso. por isso vemos muito de ódio por aí: porque é mais fácil se deixar levar e contaminar por ele, e ele tá a solta”, seguiu.


Logo depois ela falou das dificuldades após a morte dos familiares. “Eu tenho meus momentos de revolta e ódio. Em momentos me revolta ver gente que mal conhecia minha família utilizar da imagem dela. me dá raiva ver essa gente não colaborar. me deixa angustiada, triste. dá vontade de gritar pro mundo cheia de raiva, contagia… mas NÃO. eu não farei. todo dia acordo e luto pra durante as 24h eu vencer isso, me cercar do amor, que é abundante dentro da nossa família. abundante mesmo. eu não sou quem sou à toa. ninguém é quem é à toa”, disse, por fim.